A anêmona e o ermitão

Parceiros no fundo do mar, alguns animais vivem em harmonia e colaboram uns com os outros

Vira e mexe precisamos da ajuda de alguém para resolver um problema, não é verdade? No mundo animal, muitas espécies vivem em grupos, nos quais os indivíduos colaboram uns com os outros. Mas você sabia que existem animais de espécies diferentes que se ajudam? É o caso dos caranguejos-ermitões e as anêmonas-do-mar. Já ouviu falar neles?

Há no mundo mais de 800 espécies de caranguejos-ermitões, também conhecidos como caranguejos-eremitas ou paguros. Aproximadamente 60 espécies diferentes desses caranguejos vivem no litoral brasileiro.

A porção final do corpo dos caranguejos-ermitões, o abdômen, não é protegido por uma casca natural, o exoesqueleto, como nos outros caranguejos. Por causa disso, eles precisam ir atrás de uma armadura para não virarem almoço de um predador marinho, como os polvos!

A solução encontrada pelos caranguejos-ermitões não poderia ser melhor: eles procuram, cuidadosamente, conchas de moluscos vazias no fundo do oceano. Experimentam conchas assim como a gente experimenta um calçado novo, até encontrarem aquela do tamanho ideal, que lhes servirá de proteção! À medida que crescem, esses caranguejos abandonam a concha antiga e partem em busca de uma nova, maior.

Às vezes, os caranguejos-ermitões fazem melhorias na armadura, com uma proteção extra de anêmonas-do-mar. As anêmonas-do-mar são animais evolutivamente próximos às águas-vivas e os corais, e as mais de mil espécies já encontradas vivem em águas costeiras de todo o mundo, principalmente em regiões mais quentes. Seu corpo é cilíndrico, com uma coroa de tentáculos venenosos em volta da boca. Os tentáculos capturam peixes e outros bichos, que servem de alimento à anêmona.

Esses dois caranguejos-ermitões estão “vestindo” uma concha vazia de molusco, mas um deles colocou anêmonas-do-mar sobre a concha.
Fotos Yulia Kolosova / Wikimedia Commons | Mathieu Stewart / Flickr / CC BY-NC-SA 2.0
A larva das anêmonas-do-mar é capaz de nadar, mas as anêmonas adultas costumam ficar paradas sobre a areia do fundo do mar, ou em rochas.
Fotos: Cifonauta / CC BY-NC-SA 3.0

Os caranguejos-ermitões, quando encontram uma anêmona-do-mar, conseguem pegá-la e colocá-la sobre a concha que ele está usando. Para o caranguejo, os tentáculos venenosos da anêmona são uma proteção extra contra predadores. Já a anêmona-do-mar é beneficiada pela “carona” do caranguejo, que pode lhe ajudar a conseguir alimento mais facilmente. Essa colaboração mútua entre espécies é chamada pelos cientistas de mutualismo, uma história na qual todo mundo sai ganhando!


henrique-caldeira

Henrique Caldeira Costa,
Departamento de Zoologia
Universidade Federal de Juiz de Fora

Sou biólogo e muito curioso. Desde criança tenho interesse em pesquisar os seres vivos, especialmente o mundo animal. Vamos fazer descobertas incríveis aqui!

Matéria publicada em 28.07.2021

COMENTÁRIOS

  • Sofia cardoso clemente

    Muito enteresante

    Publicado em 29 de julho de 2021 Responder

  • Professora Ingrid e alunos do 3o ano B

    Adorei a reportagem! Parabéns!
    Meus alunos do Colégio Salesiano São José de Sorocaba estão curtindo a revista.

    Publicado em 2 de agosto de 2021 Responder

    • Esther

      A anêmona eo ermitão: muito boa e me interessei muito sobre a matéria. Muito bom

      Publicado em 2 de agosto de 2021 Responder

      • Otako raiz

        Achei ótimo

        Publicado em 12 de agosto de 2021

      • BRUNO GABRIEL

        ´NÃO É

        Publicado em 13 de agosto de 2021

  • Esther

    A anêomona e o ermitão

    Publicado em 2 de agosto de 2021 Responder

  • I don’t have a name

    N gostei mto nao
    I didn’t like it very much not
    No me gustó mucho
    我不是很喜歡

    Publicado em 4 de agosto de 2021 Responder

  • I don’t have a name

    I didn’t like it Much Brazil you have to improve in

    Publicado em 4 de agosto de 2021 Responder

  • gabrielly

    adoreiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

    Publicado em 4 de agosto de 2021 Responder

  • Professora Halethea Diniz

    Nós, do 3º ano B, Escola Liceu Francano de Ensino, Franca – SP, adoramos todo o conteúdo.

    Publicado em 5 de agosto de 2021 Responder

  • Vitor Teixeira

    Prezado escritor,
    Gostei muito do texto “A anêmona e o ermitão”. É muito interessante e instrutivo compreender a colaboração entre as espécies na natureza. Parabéns pela publicação.
    Atenciosamente,
    Vitor Teixeira
    Colégio Teleyos – 3º ano D

    Publicado em 7 de agosto de 2021 Responder

  • Bruno

    Muito legal, interessante e daora a notícia obg Henrique Caldeira Costa

    Publicado em 9 de agosto de 2021 Responder

  • BRUNO GABRIEL

    QUE DEMAIS.
    QUANDO EU CRESSER EU VOU SER UM BIOLOGO

    Publicado em 13 de agosto de 2021 Responder

  • Clara

    Ola chc eu aforeri as matérias irem compartilhar com meus amigos

    Publicado em 16 de agosto de 2021 Responder

  • Augusto

    Presado escritor, Gostei muito de ler a Anêmona e o Ermitão, A pesar de sabermos o que é ecosistema [comunidade mais meio ambiente], Chega a ser motivo de inspiração de comportamentos para nos seres humanos que vivemos em sociedade, ouvimos sempre as mesmas coisas sobre pessoas que são engajadas em diferentes temas, Sei que é importante mais não vemos mudança, Com essa leitura você ver a mudança, atraves do comportamento.

    Augusto Jezierski
    E.M.E.F – Noé Azevedo – 5 C

    Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Augusto Jezierski

    Presado escritor, Gostei muito de ler a Anêmona e o Ermitão, A pesar de sabermos o que é ecosistema [comunidade mais meio ambiente], Chega a ser motivo de inspiração de comportamentos para nos seres humanos que vivemos em sociedade, ouvimos sempre as mesmas coisas sobre pessoas que são engajadas em diferentes temas, Sei que é importante mais não vemos mudança, Com essa leitura você ver a mudança, atraves do comportamento.

    Augusto Jezierski
    E.M.E.F – Noé Azevedo – 5 C

    Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Glauciene Caetano de Oliveira Melo

    Anicuns, 19 de agosto de 2021.
    Caro Henrique Caldeira,
    Nós, os alunos do 6º ano A da Escola Estadual Professor Alfredo Nasser, gostamos muito da sua matéria. É muito importante ver como animais de espécies diferentes se juntam em busca de uma vida melhor. Os seres humanos precisam aprender com eles. E com certeza parar de destruir a natureza.
    Um abraço!
    Alunos e professora do 6º ano A da Escola Alfredo Nasser.

    Publicado em 19 de agosto de 2021 Responder

  • Professora Maria Fernanda Calegare Sant’Anna 3º ano C

    Parabéns pela reportagem, nós do 3º ano C do colégio Salesiano São José da cidade de Sorocaba gostamos muito e achamos muito interessante a reportagem sobre “A Anêmona e o ermitão”.
    Queremos saber mais sobre os animais do fundo do mar.
    Obrigada! Abraços turma do 3ºano C ….Até mais!

    Publicado em 19 de agosto de 2021 Responder

  • Glauciene Caetano de Oliveira Melo e alunos do 6º B

    Anicuns, 19 de agosto de 2021.
    Caro Henrique Caldeira Costa,
    Nós do 6º ano B da Escola Estadual Professor Alfredo Nasser, gostamos muito da reportagem sobre “A anêmona e o ermitão”. Foi muito legal saber que animais marinhos podem fazer parceria em busca de alimento e proteção. Gostariamos de mais informações sobre esse assunto.
    Um grande abraço de toda a turma do 6º B!
    Davi Henrique, Naiara, Anna Mel, Gabrielle, Henrique, Valentinna, Isabelle, Flávio Augusto, Talisson e Kauan Victor.

    Publicado em 19 de agosto de 2021 Responder

  • Maria Angélica Pereira de Souza

    Adorei a matéria

    Publicado em 23 de agosto de 2021 Responder

  • Professora Maria Eunice e turma do 3ºano Manhã

    Olá, CHC!
    Sou a professora Maria Eunice e gostaria de dizer que os alunos do 3ºano, manhã, do Colégio Beneditino de Vinhedo, adoraram a reportagem! Gostaram de saber sobre como acontece o mutualismo no fundo do mar!!!
    Abraços,
    E até a próxima!

    Publicado em 24 de março de 2022 Responder

  • Thaís Cristine

    Hello CHC.

    Estamos estudando esse tipo de relação.. Agora estão denominando essa relação de Protocooperação, segundo o sistema de ensino positivo.
    Muito legal..

    Thaís – 4º ano do CTPM.

    Publicado em 25 de abril de 2022 Responder

  • Prof. Claudia

    Três Lagoas , 15 de março de 2023

    Olá Revista CHC,
    Somos alunos do 3º ano do Colégio Unitrês Objetvo, vimos a noticia ” Anemona e o ermitão”, adoramos e aprendemos muito.
    Atencosamente, Maria Eduarda, Guilherme B., Helena, Maria Fernanda, Maria Julia, Guilherme D., somos o grupo 1

    Publicado em 15 de março de 2023 Responder

  • Pedro Even

    Na verdade isso é protocooperação, não mutualismo, já que a coexistência entre eles não é obrigatória.

    Publicado em 8 de junho de 2023 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.