Ai! Caiu uma maçã na minha cabeça

Um minutinho para pensar como são feitas as grandes descobertas

Ilustração Walter Vasconcelos

Em qualquer lugar do planeta, haverá sempre alguém para contar que, logo depois de ser atingido por uma maçã, o físico e matemático inglês Isaac Newton “descobriu” a gravidade – a força que atrai todos os objetos para o centro da Terra e explica muitas coisas, incluindo por que as coisas caem.

Entre as mais diferentes versões da história da maçã, a maior parte diz que Newton estava descansando debaixo de uma macieira e um fruto (póin!) acertou a sua cabeça. Ao olhar para cima e tentar achar o culpado (talvez um animal) e não encontrar nenhuma causa aparente, o cientista teria então tido uma ideia genial e descoberto que a gravidade foi a responsável pela queda.

Cá pra nós, você acha que é assim que funciona a ciência? As descobertas são feitas por pura sorte? Se a maçã não tivesse caído na cabeça de Newton, a gente nunca teria “descoberto” a gravidade?

Histórias como essa, na realidade, passam a ideia absurda de que as grandes descobertas científicas são frutos do acaso, e que são possíveis somente pela existência de “grandes gênios”, que notaram algo que milhares de pessoas menos “inteligentes” ficaram séculos sem perceber! Além disso, dão a impressão que as descobertas científicas são instantâneas, e não exigem muito trabalho e muito tempo de experimentação e desenvolvimento.

A lenda da maçã de Newton, por exemplo, não revela que ele não “descobriu a gravidade”.  A ideia da existência de uma força que atrai os corpos já existia há séculos antes de Newton, inclusive já com este nome.

O que Newton realmente fez foi estudar este conceito por anos, analisando informações e elaborando hipóteses, testando, fazendo previsões que foram comprovadas ou descartadas, para então chegar à explicação do fenômeno. Vale dizer que, depois de Newton, outros pesquisadores descobriram novos aspectos relacionados à gravidade, e nada foi de uma hora para outra, tudo resultou de muito trabalho.

Então, anote aí: a ciência avança gradativamente, com descobertas sendo feitas após uma grande quantidade de tentativas, experimentos, ideias, testes e muito mais erros do que acertos. E mais! A ciência é feita por pessoas como nós, que, com espírito de investigação, perseverança, vontade de trabalhar, e um pouco de inspiração, conseguem explicar o que acontece no mundo à nossa volta.

A ciência está cheia de frases do tipo: “Que estranho este resultado…”. “Puxa, eu não esperava por isso!”. “Como posso explicar esta observação?”. “Vamos tentar novamente?”. Por isso, eu aposto que se uma maçã caiu mesmo na cabeça de Isaac Newton enquanto ele tirava uma soneca debaixo da árvore, ele disse “ai!”, como qualquer um de nós faria.


eder_molina

Eder Molina
Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas
Universidade de São Paulo

Sou paulista, e já nem lembro quando nasci… Sempre fui curioso sobre o porquê das coisas, e desde criança tinha meu clubinho da ciência. Hoje sou professor de Geofísica e continuo xereta e buscando aprender muitas coisas, principalmente sobre a Terra e o Sistema Solar.

Matéria publicada em 04.04.2023

COMENTÁRIOS

  • Carlos Fioravanti

    Muito bom, gostei!
    Prof. Eder, continue a escrever para nós, por favor!

    Publicado em 6 de abril de 2023 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.

O mistério da maçã marrom

Hora de se divertir com experimentos e atividades!