De mãos dadas com os povos originários

Alguém no navio gritou “terra à vista!”, e deu ordens para a embarcação atracar. Os que estavam em terra firme devem ter arregalado os olhos e pensado: “quem vem lá?”. Estes, que observavam os que se aproximavam, já viviam há muito tempo no território que os navegantes acreditavam ter descoberto. Por serem os primeiros habitantes destas terras, são chamados povos originários. Sim, estamos falando dos indígenas! O que se sabe sobre essas pessoas tão importantes na formação do povo brasileiro?

Ilustração Mariana Massarani

O ano era 1500 quando os portugueses chegaram para conquistar (ou colonizar) o território que, tempos depois, seria chamado Brasil. Acontece que nesse território já existiam povos com rica cultura, falantes de centenas de línguas e com costumes muito bem organizados. Pois é, por aqui viviam cerca de três milhões de indígenas – alguns mais próximos do mar, outros mais para o interior.

Há muito da cultura indígena no nosso dia a dia! Nas comidas, como paçoca, tapioca, pirão, banana assada…  Nas palavras, como jururu, peteca, arapuca, mingau… Nos hábitos, como tomar banho diariamente (até mais de uma vez por dia!), descansar na rede, furar as orelhas…

Isso tudo é muito interessante, não é? Mas, se você não é indígena, quantos indígenas você conhece?

Encolhendo em 3, 2, 1… 

Desde 1500, a população indígena não cresce. Pelo contrário, ela só diminui. Será que os povos indígenas foram reduzindo como mágica? Não mesmo. Há os que foram sendo reduzidos depois de contraírem doenças no contato com os colonizadores, há os que reduziram lutando em guerras, há os que reduziram porque não puderam se defender… Enfim, os motivos são muitos. Mas o pior deles talvez seja o apagamento de sua história. Faz ideia do que seja isso?

O apagamento histórico dos indígenas começa quando são tratados como selvagens; quando não se compreende a cultura, a crença, as tradições, os costumes e lhes chamam de atrasados ou inferiores; ou quando invadem suas terras e se pratica todo tipo de violência contra homens, mulheres e crianças.

Tudo isso contribuiu para que existam hoje no Brasil apenas 800 mil indígenas, aproximadamente. Esta informação é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, órgão do governo que faz a contagem da população brasileira. A estimativa é de que 500 mil indígenas vivam em zonas rurais ou nas aldeias; e 300 mil, nas cidades.

Onde estão os indígenas? 

Há indígenas em todas as regiões do território brasileiro, de Norte – onde estão em maior número – a Sul. Em todos os estados do Brasil, incluindo o Distrito Federal, há indígenas.

A maior parte, como já vimos, vive em suas aldeias, cuidando das tradições, dos rituais, aprendendo com as plantas e os animais. Os que levam a vida nas cidades, estudam, trabalham, escrevem livros, dão aulas e muito mais, como qualquer pessoa do meio urbano.

Há ainda os indígenas que não foram “encontrados” pelos pesquisadores do IBGE, porque habitam regiões da floresta não exploradas pelos não-índígenas.

Mais do que saber onde estão os indígenas, o importante é avaliarmos a ideia que se tem sobre esses povos. Em outras palavras: muito se imagina, mas pouco se sabe realmente sobre os indígenas.

Índígenas da etnia Pataxó, na Esplanada dos Ministérios (DF), durante o Abril Indígena, evento dedicado às reflexões sobre os povos originários.
Foto Valter Campanato/ABr./Wikipedia

1   É mais respeitoso usar o termo indígena do que índio. Isso porque o termo índio carrega a ideia dos europeus de um grupo de pessoas exóticas e atrasadas. Indígena, por sua vez, significa ‘natural do lugar onde vive’, dando a ideia de que cada povo é único.

2 Os indígenas não constituem um bloco único, compartilhando as mesmas crenças, a mesma língua, as mesmas tradições. Há diferenças culturais, por exemplo, entre os indígenas Yanomami, Bororo e Tikuna, assim como há diferenças culturais entre gaúchos, paulistanos e baianos.

3 Considerar as culturas indígenas como atrasadas e primitivas é um erro. Os povos indígenas produziram e seguem produzindo conhecimento, arte, literatura, música, religião, assim como qualquer outro povo que está vivo nos dias hoje.

4 Achar que os indígenas fazem parte apenas do passado do Brasil é um obstáculo ao avanço da sociedade. Isso porque o conhecimento dos povos indígenas é indispensável, principalmente, para a conservação da natureza.

5 Nem todos os indígenas andam nus ou de tanga, no meio da floresta, de arco e flecha na mão. Essa descrição feita pelos portugueses há séculos está congelada no imaginário popular, de forma que, quando se vê um indígena usando de roupa e mochila, indo para a escola, desconfia-se que não é indígena de verdade. Não estar usando penas na cabeça ou pinturas na pele não significa não ser indígena.

6 Os indígenas fazem parte da formação original e atual do povo brasileiro. Considerá-los um grupo à parte é agir com preconceito.

Fonte: José Ribamar Bessa Freire
Foto Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr/Wikipédia

Hora de dar as mãos 

Já sabemos que os indígenas brasileiros sofreram (e ainda sofrem) diferentes formas de violência. No passado, os colonizadores europeus invadiram e tomaram boa parte de seu território, obrigaram muitos a negar suas crenças e se converter ao cristianismo, escravizaram homens, mulheres e crianças indígenas, e os forçaram a se tornar seus aliados para sobreviver. Hoje, não há mais os colonizadores do passado, mas ainda há quem roube as terras indígenas e as riquezas dessas regiões, escravize os diferentes povos e queira negar suas culturas. Por essas razões, são comuns as notícias de conflitos entre indígenas e não indígenas.

É preciso lembrar que indígenas são humanos, que desfrutam dos mesmos direitos que qualquer pessoa não indígena. É preciso também lembrar e respeitar o fato de serem povos originários vítimas das mais diferentes crueldades, que fizeram restar tão poucos. Por isso, é preciso apoiar o que se chama de política indigenista, isto é, cobrar dos governantes o cumprimento de leis que protegem as terras indígenas, assim como a saúde e as diferentes culturas dos povos que ainda resistem. Somos todos brasileiros. É hora de darmos as mãos.

Bianca Encarnação e Cathia Abreu
Instituto Ciência Hoje

Marcos Rodrigues Barreto
Fundação Municipal de Educação de Niterói

Matéria publicada em 04.04.2023

COMENTÁRIOS

  • gabriel francisco jahnel

    goste mudo da materia

    Publicado em 9 de outubro de 2023 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Cocôs cheios de história

Os fósseis de cocô são achados valiosos para a paleontologia. Venha ler e descobrir o porquê!

Nem sempre gigantes…

Dinossauro nem sempre é sinônimo de grandalhão. Aqui, no Brasil, temos exemplos incríveis desses répteis em tamanho pequeno.