Lutar ou correr?

Por que cada um de nós responde de uma maneira diferente a uma situação de perigo?

Ilustração Walter Vasconcelos

Você está em casa brincando e, de repente, ouve a sua mãe gritando, como se estivesse enfrentando um dragão! Você corre até a cozinha e a vê com a vassoura numa mão, o chinelo na outra, correndo desesperada de um lado para o outro e logo avista o porquê do alvoroço: uma barata. Tudo bem, era das grandes. E cadê a vizinha que conversava com a sua mãe? Bom, essa já correu tanto que quase pulou o muro. Não julgue, nem faça piadas. Cada um reage de um jeito a uma situação de medo.

Todos somos diferentes e alguns dos nossos medos podem parecer inexplicáveis. Mas, fica a dúvida: por que algumas pessoas reagem como a sua mãe, lutando e enfrentando o “dragão”, enquanto outras fogem da luta, como a vizinha?

Tudo depende de como o nosso cérebro avalia o perigo e entende – ou não – se a situação é ameaçadora, determinando se uma pessoa vai lutar bravamente ou fugir velozmente! São reações automáticas, ou seja, a pessoa não pensa se deve lutar ou fugir, apenas reage.

No caso da guerreira da cozinha, o cérebro detectou o perigo (a barata) e, rapidamente, preparou o corpo dela para enfrentar a ameaça. Para isso, liberou grande quantidade de adrenalina, hormônio responsável pelas reações rápidas, que faz o coração acelerar e aumentar o fornecimento de sangue aos músculos. Também faz as pupilas dos olhos dilataram e os pulmões se prepararam para fornecer mais oxigênio aos músculos, entendendo que há uma luta  por acontecer. Quando o cérebro entende que o perigo passou, faz com que tudo volte ao normal: o coração desacelera e a respiração também.

No caso de quem foge, o cérebro, quando percebe que o perigo passou, vai tratar de fazer com que a calmaria retorne também e, muitas vezes, rimos à beça, achando graça da situação. Só quem já travou essa guerra entenderá!


priscila

Priscilla Oliveira Silva Bomfim
Núcleo de Pesquisa, Ensino, Divulgação e Extensão em Neurociências (NuPEDEN)
Universidade Federal Fluminense

Sou pesquisadora apaixonada pelo cérebro e aqui vamos conversar sobre como este órgão é fascinante e controla tudo na nossa vida. Vem comigo?

Matéria publicada em 05.07.2024

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.