Médico(a) no esporte!

“Lá vai o levantador. E lá vem a cortada. Do outro lado, o bloqueio funciona, mas… opa! Alguém se machucou!”
“Lá vai o primeiro golpe. E o segundo. O adversário cai de mal jeito e… a luta para!”
“Lá vai o centroavante driblando os adversários perto do gol. Ele vai marcar, você se prepara para comemorar, mas… essa, não! Ele foi derrubado! O juiz marca pênalti e manda vir a maca. O machucado foi feio!”

Gente, alguém pode chamar o médico?! Mas que médico? Um especialista em medicina esportiva, é claro! Eles são o socorro certo para os atletas, mas não entram em cena somente quando alguém se machuca. Eles acompanham os atletas no dia a dia, dando orientações para uma vida saudável, para evitar lesões e também para prestar socorro. Para entender um pouco mais sobre a medicina esportiva, a CHC conversou com Marcio Tannure, que é chefe do departamento médico do Flamengo e também acompanha atletas das artes marciais, do UFC.

tanuri
Divulgação

Ciência Hoje das Crianças: O que é a medicina esportiva?

Marcio Tannure: Medicina esportiva é parte da medicina com o foco na avaliação, prevenção de lesões e cardiologia do esporte, por exemplo. Cuida do paciente para que possa fazer atividades físicas com saúde e até para tratamento de algumas doenças.

 

CHC: Qual a diferença entre cuidar de uma pessoa que pratica atividades físicas regulares e de um atleta?

MT: Uma das principais diferenças é que as pessoas “normais” buscam saúde e bem-estar. O atleta busca resultado.

 

CHC: A medicina esportiva trata só de atletas? Ou vale para qualquer pessoa?

MT: Vale para qualquer pessoa que pratique ou queira praticar atividades físicas. Quando uma pessoa começa a praticar, o corpo dela muda. Seja atleta ou não.

 

CHC: Você sempre quis atuar nessa área?

MT: Sim, desde que entrei na faculdade já tinha essa vontade e comecei a atuar na área ainda como estagiário.

 

CHC: O que precisou estudar para chegar lá?

MT: Depois da faculdade de medicina, fiz residência em ortopedia e traumatologia e, depois, especialização em fisiologia e medicina do esporte.

 

CHC:Como é o seu dia a dia no centro de treinamentos? O que precisa fazer?

MT: É bem dinâmico. Acompanhamos treinos, jogos, viagens e cuidamos da saúde dos atletas, além de tratar das lesões.

 

CHC: Como é conviver com os jogadores? Você está com eles quase todo dia e até viaja com o clube.

MT: É uma relação intensa. Muitas vezes estamos mais tempo junto deles do que com as nossas famílias. Mas a relação é altamente profissional e de extremo respeito.

 

CHC: Sente que também tem um pouco do seu trabalho em cada vitória ou título?

MT: Com certeza, é de todos da comissão técnica e funcionários do clube. Sem essa estrutura física e humana nada aconteceria.

 

CHC: Qual é a diferença da sua rotina de trabalho no futebol e no UFC?

MT: No futebol, acompanho o dia a dia. No UFC, o trabalho fica mais intenso na semana que antecede a luta. E principalmente durante e após a luta, para cuidar dos atletas.

 

CHC: O que diria para uma criança que sonha em trabalhar com isso?

MT: Diria que tem que amar o que faz. Precisa de muita dedicação e não pode desistir. É uma profissão que dá muita alegria.

 

Thayuan Leiras,
Jornalista,
Especial para a CHC.

Matéria publicada em 28.06.2018

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.