Museólogo/a!

Ilustração Daniel Bueno

Qual a primeira imagem que lhe vem à cabeça quando você pensa em um museu? Um lugar fechado, com grandes salões cheios de quadros ou outros objetos antigos? Hummm… Vamos ampliar essa ideia, porque existem outros tipos de museus! Quer exemplos? Aquários, jardins zoológicos, jardins botânicos, parques nacionais, planetários, centros de ciências… Tudo isso, acredite, pode ser considerado museu!

Agora, pense no desafio que é para organizar um lugar desses e cuidar para que nada dê errado nas diferentes exposições. É para dar conta de tudo isso que existem os profissionais da museologia! 

Quem segue a carreira é responsável pelas várias atividades que acontecem em um museu, desde a montagem de exposições até o cuidado com o acervo histórico ou natural que está guardado ali. Ainda ficou com dúvidas? Então, veja o que diz Mario Chagas, diretor do Museu da República no Rio de Janeiro: 

“A profissão de museólogo está muito conectada com a memória. Há quem diga que os museus são interessados em objetos. Mas, na verdade, os museus são interessados na vida. Se você gosta de festas, de comemoração, se gosta da vida, a museologia é um caminho. Porque a museologia é uma forma diferente de celebrar a vida”. 

Desde que a humanidade deixou de ser nômade – de se mudar constantemente de um lugar para outro –, há cerca de 10 mil anos, a prática de guardar objetos passou a ser mais comum. Tempos depois, muito do que se descobriu sobre esses objetos do passado nos ajuda a entender a nossa própria história. Essa é uma das funções do museu. Não só colecionar objetos, mas sim celebrar a nossa história. “Os museus são as casas da humanidade inteira”, resume Mario. 

Para ser um/a museólogo/a, é essencial gostar de estudar e gostar de pessoas. Afinal de contas, a razão de existir de um museu é receber gente. Além disso, esse/a profissional não trabalha sozinho/a. Está lado a lado com diversos outros profissionais, como educadores, historiadores, restauradores, designers e muito mais. 

E como é o dia a dia desse/a profissional? É tão diverso quanto a quantidade de museus diferentes que existem. “Muda de museu para museu. Afinal, é possível ter museu sobre tudo. No meu dia a dia, realizo exposições, práticas de conservação de acervo e contato com o público. Mas também dou aulas, faço pesquisas, tento produzir conhecimento”, conta Mario.

Achou interessante? Então que tal brincar de museólogo/a por um dia? “Organize, em casa mesmo, uma exposição com os seus objetos, brinquedos, todas as suas coisas. Chame seus pais, ou tios, ou avós, ou amigos, ou quem mais esteja em casa. Você pode fazer do seu próprio quarto um museu, sabia?”, sugere Mario. 

Imagine a surpresa de todo mundo quando você aparecer com o seu próprio museu! O importante é que se perceba uma conexão entre os objetos que você vier a selecionar, que haja um motivo para a colocá-los juntos. Um museu de ciências, por exemplo, contém elementos relacionados a descobertas ou experimentações científicas. Um zoológico também pode ser considerado um museu que tem em comum a exposição e informações sobre animais; um aquário, sobre a vida marinha… E por aí vai! 

Diz aí, ser museólogo/a pode estar entre os seus planos?

Cathia Abreu
Instituto Ciência Hoje

Matéria publicada em 04.07.2023

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Bateria de moedas

Hora de se divertir com experimentos e atividades!

Tem criança no samba!

As escolas de samba mirins são uma alegria a mais no carnaval.