Quero saber…

… como podem existir vulcões no fundo do mar?

Açores.
Foto Wikipédia

Vulcões são montanhas formadas pelo acúmulo de magma, uma massa pastosa muito quente, também conhecida como lava. Ela é formada no interior da Terra, mas, algumas vezes, sobe e chega até a superfície. Nos continentes, os vulcões são facilmente identificados pela forma característica de um cone. É o caso do Vesúvio, na Itália, ou do Monte Fuji, no Japão.

Vulcões marinhos também existem, mas são difíceis de serem observados, porque são cobertos pelos oceanos. Em alguns locais, porém, estes vulcões crescem tanto que atingem a superfície, formando as chamadas ilhas vulcânicas. Alguns exemplos são o arquipélago do Havaí (no oceano Pacífico), dos Açores, das Canárias e de Fernando de Noronha (no oceano Atlântico).

Nestas áreas, ocorrem os chamados hotspots ou “pontos quentes”. Como o nome indica, são pontos onde ocorre a expulsão de magma de maneira quase contínua e por muitos milhões de anos. Isto faz o vulcão submarino crescer e atingir a superfície dos oceanos, formando as ilhas. Até o momento, não sabemos exatamente o que causa os hotspots no interior da Terra.

Outra curiosidade interessante: a grande diferença entre os vulcões submarinos e os continentais é o tipo de rocha de cada um. Nos submarinos, o magma atinge temperatura muito quente e entra em contato com a água fria, o que faz com que a lava resfrie muito rápido e gere fragmentos de vidro vulcânico, chamados de hialoclastitos. Já nos vulcões continentais, o magma entra em contato com ar, e tende a fluir com os derrames de lava.

Breno Leitão Waichel
Departamento de Geociências
Universidade Federal de Santa Catarina

…se as unhas e cabelos crescem durante toda a nossa vida.

Ilustração Marina Vasconcelos

As unhas, sim. Os cabelos, não. Cada fio de cabelo passa, de forma independente, por um ciclo: ele nasce, cresce, para de crescer e cai. Cerca de 85% dos fios do nosso cabelo se encontram na fase de crescimento, chamada de fase anágena. Ela dura em torno de dois a sete anos e varia de pessoa para pessoa. Quem possui a fase de crescimento longa tem tendência a ter cabelo longo, enquanto quem possui essa fase curta tem tendência a ter cabelo curto.

Uma quantidade muito pequena dos nossos fios (aproximadamente 10%) está na fase de queda. É por isso que perdemos fios diariamente. Sabia que um adulto saudável perde, em média, de 30 a 100 fios por dia? Mas, logo após a queda, um novo fio surge e um novo ciclo começa!

Já as unhas, ao contrário dos cabelos, crescem continuamente ao longo de toda a vida. As unhas das mãos crescem aproximadamente 3 milímetros por mês, enquanto as unhas dos pés crescem 1 milímetro por mês. Como medida de higiene e risco de arranhões, lembre-se de manter sempre as unhas bem cortadas!

Ivy Lago
Clínica de Dermatologia
Hospital Naval Marcílio Dias – RJ

… se insetos resistem ao frio e ao calor extremos.

Sabe quando está frio e bate aquela preguiça de fazer qualquer coisa? E depois, quando faz um dia bonito de calor, ficamos mais animados? Acontece um fenômeno parecido com os insetos: o clima frio diminui sua atividade, enquanto o calor a faz aumentar! Mas, ao contrário de nós, humanos, os insetos não conseguem esquentar seu próprio corpo, então dependem da temperatura do ambiente ao redor para se esquentarem.

Porém, em locais com períodos de calor ou frio extremos, alguns insetos possuem adaptações que os ajudam a sobreviver durante essas fases. No frio, alguns deles conseguem diminuir a temperatura de congelamento do seu corpo para viver no inverno rigoroso. Outros podem até fazer um tipo de “hibernação”, bem parecido com o que os ursos fazem!

Já no calor extremo, o primeiro passo dos insetos é evitar o sol forte e sair mais ao final do dia. É comum que o próprio corpo desses insetos tente se “desacelerar” para evitar esquentar demais, podendo também “hibernar” para não morrer de calor.

No geral, os insetos que resistem ao calor e frio extremos precisam estar adaptados e ter tempo para se preparar. Existem besouros que resistem às nevascas do inverno europeu e formigas que sobrevivem no escaldante deserto do Saara. São casos de animais superadaptados ao seu ambiente!

Sávio Cavalcante
Casa de Oswaldo Cruz
Fundação Oswaldo Cruz

Matéria publicada em 07.06.2023

COMENTÁRIOS

  • Emanuela Galvão Penas

    Eu não sabia que existiam vulcões marinhos, mas agora eu sei. E não sabia que os vulcões submarinos e os continentais cada um tinha um tipo de rocha
    Eu não sabia que o cabelo tinha um ciclo, ele nasce, cresce e cai. Eu não sabia que as unhas das mãos crescem mais do que as dos pés.
    Eu não sabia que os insetos não conseguiam esquentar se próprio corpo.

    Publicado em 18 de junho de 2023 Responder

  • Joana

    Oi pessoal da revista ciência hoje das crianças eu sou a Júlia e tenho 9 anos e adoro a ciência quando eu crescer vou querer ser uma grande cientista e eu queria agradecer por vocês me ensinarem.

    Publicado em 19 de junho de 2023 Responder

  • Julia

    Oi pessoal!
    Estou dando esse comentário porque gostei da publicação Como Pode Existir Vulcões No Fundo Do Mar, estudo no Colégio Integrado .ao ler essa reportagem fiquei sabendo mas sobre os vulcões assinado Julia de Amorim Santos

    Publicado em 4 de julho de 2023 Responder

  • Davi Felipe

    A revista chic é muito legal mesmo

    Publicado em 6 de setembro de 2023 Responder

  • Davi Felipe

    A revista chc é muito legal mesmo

    Publicado em 6 de setembro de 2023 Responder

  • Pietro Ariel

    Eu achei muito interessante o artigo sobre os vulcões no fundo do mar, eu não sabia que tinha rochas diferentes e sobre os insetos, eu não sabia que eles hibernavam como os ursos, muito interessante, vou contar para meus amigos. Estou na terceira serie do colégio Marista .

    Publicado em 10 de novembro de 2023 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.