Restaurador(a) de obras de arte!

Tudo no mundo envelhece. Esculturas e pinturas também! Quer dizer, elas se degradam com o passar do tempo, com a exposição à luz, às mudanças de temperatura, à umidade… Para manter as obras de arte em bom estado de conservação entra em cena o restaurador, ou melhor, o conservador-restaurador!

Esse (ou essa!) profissional estuda muito a história das obras de arte, os artistas e os materiais usados para produzi-las. Com essas informações, é que tenta manter ou devolver a “forma” original da obra. Mas se engana quem acha que para uma obra ser restaurada ela precise ficar “novinha em folha”. Uma obra deve ser restaurada para que volte a funcionar como uma obra de arte, ou seja, para conservar a expressão do artista e ser apreciada pelo público.

Quem explica com mais detalhes tudo isso é o Daniel Aguiar, coordenador do Laboratório de Estudos em Ciências da Conservação da Escola de Belas Artes, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Uma entrevista exclusiva que a CHC compartilha com você!

Ilustração Lula Palomanes

Ciência Hoje das Crianças: Conservadores e restauradores de obras de arte também são artistas?

Daniel Aguiar: Não necessariamente! Apesar de, em vários casos, ser desejável que conservadores-restauradores tenham habilidades técnicas parecidas com as de um artista, não se exige que eles tenham a mesma capacidade criativa.

 

CHC: Qual é o maior inimigo de uma obra de arte?

Daniel: Que pergunta difícil! Para responder, precisamos saber qual tipo de obra estamos estudando, onde essa obra está, de que materiais é feita etc. Existe uma área da conservação-restauração que lida justamente com essa avaliação de riscos. Não é uma tarefa simples… Por exemplo, os riscos para esculturas de bronze são diferentes no litoral e no interior do Brasil. O mesmo vale para objetos de mármore, se estão expostos ao ar livre ou dentro de um museu. Mas a maior ameaça mesmo a uma obra de arte é o desconhecimento de quem trabalha com ela.

 

CHC: Por que é importante restaurar uma obra de arte?

Daniel: Muita gente acredita que uma obra de arte deva ser restaurada para que ela fique “novinha em folha”, e isso não é verdade. Costumo dizer aos meus alunos que uma obra deve ser restaurada para que ela volte a funcionar como uma obra de arte. É que, quando uma obra está muito degradada, pode ser difícil, ou até impossível, entender o que o artista quis expressar. Aí o conservador-restaurador deve avaliar com muito cuidado qualquer tipo de intervenção.

 

CHC: O que é preciso para ser um conservador-restaurador ou uma conservadora-restauradora?

Daniel: Hoje há cursos de graduação em muitas universidades, e também é possível fazer um curso técnico. É necessário, ainda, entender a importância e a responsabilidade de cuidar do patrimônio cultural do nosso povo.

 

CHC: Como o Brasil valoriza e cuida do seu acervo de arte?

Daniel: Poxa, essa é uma pergunta triste de ser respondida. De maneira geral, o Brasil não valoriza seu patrimônio cultural tanto quanto deveria. Embora não seja um museu exclusivamente dedicado à arte, o incêndio do Museu Nacional diz muito a esse respeito.

 

CHC: Quando as obras são muito antigas, e não existem fotos de como elas eram antes, como o restaurador faz?

Daniel: É preciso que antes seja feita uma pesquisa completa da origem da obra, do artista que a criou, dos seus aspectos históricos, dos materiais utilizados na criação, do seu significado para uma determinada comunidade etc. Depois, uma equipe de conservadores-restauradores define a melhor abordagem, sempre respeitando a ideia do artista. No caso de obras muito antigas e que faltem algumas partes, a equipe pode, inclusive, decidir não “preencher” aquelas lacunas.

 

CHC: E se um restaurador errar ao trabalhar com uma obra de arte?

Daniel: As decisões são quase sempre tomadas em equipe, o que diminui muito a chance de erro. Mas um dos pilares da restauração é justamente poder “desfazer” qualquer intervenção, se for necessário. Então aí é importante que o profissional conheça bem os materiais que serão usados e toda a química envolvida no envelhecimento deles. Sim, os materiais da restauração também vão envelhecer!

 

CHC: E onde a química entra nessa história? 

Daniel: Ela está presente em um monte de processos em conservação e restauração. Ela ajuda na identificação dos materiais usados pelo artista, ajuda a investigar falsificações de obras de arte e ainda ajuda na produção de materiais mais eficientes e seguros para restauração, como é o caso dos géis na limpeza de pinturas. Os químicos trabalham muito para produzir novos materiais que atendam as expectativas dos conservadores-restauradores.

 

CHC: Qual foi o trabalho mais legal que você já fez?

Daniel: Lá no laboratório que coordeno estou em dois projetos que valem a pena comentar. Em um deles, tentamos desenvolver formas para que os vernizes das pinturas não fiquem amarelados rapidamente. No outro, usamos a química para criar novas substâncias que evitem a degradação do bronze com o tempo. A química é linda, não é mesmo?

Elisa Martins

Jornalista, especial para a CHC.

Matéria publicada em 24.10.2019

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.