Sapo com medo d’água

*Conto popular

Ilustração Marina Vasconcelos

Essa é a história de dois irmãos travessos e um sapo.

Tudo começou quando os meninos brincavam perto de uma lagoa, avistaram um sapo, raptaram o animal e o levaram para o quintal de casa. 

Os irmãos começaram a brincar com o bicho, mas do modo deles. Pobre anfíbio…

– Vamos jogar o sapo nos espinhos – disse o mais novo.

E o sapo logo respondeu:

– Tenho o couro muito duro!

Os dois estranharam um pouco ao ver o sapo falar, mas resolveram continuar a negociação:

– Então, vamos jogar você no fogo – falaram em dupla.

– Adoro lugares bem quentinhos – disse o sapo.

– Então, vamos jogá-lo entre as pedras – sugeriu o irmão mais velho.

– Minha cabeça é mais dura que uma rocha – o sapo afirmou.

Os meninos já estavam achando o sapo indestrutível, quando o mais novo saiu com uma ideia genial:

– Já sei! Vamos jogá-lo na lagoa. Quero ver se ele sabe nadar!

O sapo, muito esperto, abriu o berreiro:

– Não, por favor! Prefiro os espinhos. Não! Por favor, quero que me atirem do penhasco ou me fritem no fogo, mas não me joguem na água. Eu vou morreeer…

Os irmãos, que nada tinham de bonzinhos, pegaram o sapo por uma perna e, vupt!, atiraram o bicho bem no meio da lagoa.

O sapo deu um longo mergulho e, enquanto isso, os meninos aguardavam o suspiro final do anfíbio. Mas, como mágica, ele veio à tona e disse:

– Eu adoro água!

E jogou um jato em cima dos irmãos, dando uma cusparada. Depois, saiu nadando e dando piruetas na lagoa. 

Envergonhados, os meninos foram para casa. Tomara que tenham aprendido que humanos nem sempre são mais espertos que os demais animais.

Agora, se você vir alguém recusando o que mais gosta (tipo um sorvete ou um bolo bem fofinho), vai se lembrar dessa história e querer perguntar:

– Está falando sério ou isso é a estratégia do sapo com medo d’água?

*Este conto faz parte tradição oral brasileira, e apresenta um final feliz para uma história que poderia terminar de forma trágica para o sapo. Esta versão foi livremente adaptada pela CHC, mas você pode ouvir a mesma história contada de outra forma aqui.

Matéria publicada em 31.07.2023

COMENTÁRIOS

  • Letícia

    Eu gostei bastante

    Publicado em 13 de setembro de 2023 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Frutas viajantes

Qual a sua fruta preferida? Será que ela é nativa do Brasil ou será que viajou para chegar aqui? Vamos descobrir?

As idades da Lua

No tempo em que a Terra era um só bloco