Tem criança no samba!

Escolas de samba formadas somente por crianças, isso é sonho? Ora, ora… quem acompanha o carnaval sabe que elas são realidade há anos! Meninas e meninos mandam ver no batuque, canto e dança, fazendo bonito nos desfiles. Mas alguém aí sabe como, quando e por quê surgiram as escolas de samba mirins?

Ilustração Mariana Massarani

Talvez você esteja imaginando que uma escola de samba mirim é sempre “filhote” de uma grande escola de samba. Bom, é e não é. As escolas de samba mirins surgiram sim depois que as grandes escolas de samba já estavam consagradas. Mas elas foram criadas de forma independente, com o propósito de manter viva a tradição das escolas grandes. Vamos entender melhor essa história? 

Em 1928, a população negra e mestiça do Rio de Janeiro, formada por descendentes de escravizados, organizou a Deixa Falar, a primeira escola de samba de que se tem notícia. Ela surgiu da necessidade dos foliões (homens, mulheres e crianças) dançarem mais à vontade o samba, ritmo não muito bem aceito pelas elites da época.

De lá pra cá, muita coisa mudou. As escolas de samba se tornaram um símbolo da cidade do Rio de Janeiro e a prefeitura passou a gerenciar a organização dos desfiles, que cresceram tanto de importância a ponto de conquistar um lugar especial na cidade: a Passarela Professor Darcy Ribeiro, localizada na Avenida Marquês de Sapucaí, mais conhecida como Sambódromo.

Carla Lopes
Observatório do Carnaval
Laboratório de Estudos de Discurso, Imagem e Som (Labedis)
Museu Nacional
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.