Viajar também é ciência

Aqui vai um exercício de imaginação e adivinhação! Você está em um país desconhecido, bem no meio de uma floresta. À sua volta, árvores que você só conhecia pelos desenhos dos livros. Há também pássaros, uma quantidade enorme, cantando melodias que você nunca tinha escutado. Tudo é novo, mas você não está só! Alguém garante que você não vai se perder, ele é o mateiro e conhece bem os caminhos da floresta. Um caçador também está por perto, capturando diferentes animais para você estudar. O barqueiro está tomando conta do barco e há ainda um artista, desenhando os animais e plantas coletados na floresta. Agora, responda: qual é a sua profissão? Viajante-naturalista, ora bolas!

Ilustração Mariana Massarani

A abertura do texto resume um pouco a rotina de quem fazia ciência enquanto viajava pelo Brasil há muito, muito tempo, no século 19. Esses homens e mulheres eram conhecidos como viajantes-naturalistas, porque estudavam história natural, uma combinação do que hoje separamos em biologia, geologia, botânica, entre outras ciências.

Em suas viagens, ou expedições científicas, os viajantes-naturalistas caminhavam pelas florestas, atravessavam rios e subiam montanhas observando a natureza e reunindo coleções de animais e plantas para estudo. Passavam por diferentes regiões do país atentos às cidades, pessoas, festas… Anotavam tudo em seus diários e cadernos!

Boa parte dos viajantes-naturalistas que se aventurava pelo Brasil era da Europa. Vinham de países como Alemanha, Inglaterra ou França, para citar alguns exemplos. A variedade de animais e plantas do nosso país os surpreendia. A gentileza do nosso povo também devia impressionar. Afinal, eles caminhavam pelas matas com o apoio de moradores locais, povos indígenas e até mesmo de indivíduos escravizados. Como o Brasil era um país escravocrata durante a maior parte do século 19, não era incomum que homens e mulheres escravizados estivessem envolvidos nessas expedições.

Encontro dos índios com os viajantes europeus.
Johann Moritz Rugendas/Aquarela sobre papel, 1835
Dança com máscaras e festa de casamento dos índios Tikuna.
Henry Walter Bates

Nem sempre a história das ciências fala sobre essas pessoas, mas é isso mesmo: indígenas, escravizados, mateiros e até mesmo as crianças ajudavam os viajantes e contribuíam para o desenvolvimento do conhecimento científico nessas viagens. Isso nos mostra como a ciência é resultado da colaboração entre muitas pessoas diferentes. Que tal conhecer alguns desses naturalistas que fizeram história por aqui?

Saint-Hilarie

Um homem alto e bem magrinho, com a barba descuidada, chamava atenção por onde passava. Seu nome era Auguste de Saint-Hilaire, um francês que chegou no Rio de Janeiro em 1816 e passou seis anos viajando pelo Brasil. Como especialista em botânica, ele se dedicou a estudar as plantas brasileiras, mas, como naturalista, registrou tudo o que achou interessante durante as suas andanças e publicou um livro contando sobre sua viagem. Percorrendo as grandes e as pequenas cidades às vésperas da Independência do Brasil, ele comentou que as pessoas que moravam no interior pareciam não desconfiar que o país estava prestes a se separar de Portugal.

Langsdorff

Alguns viajantes-naturalistas se encontravam pelo Brasil. Saint-Hilaire, por exemplo, conheceu Georg Heinrich von Langsdorff, um diplomata russo, que também era naturalista e dono da Fazenda Mandioca, no atual município de Magé, no Rio de Janeiro. Lá, ele mantinha uma biblioteca e um museu de história natural com espécies de animais e plantas brasileiras. Para estudar melhor a natureza brasileira, Langsdorff montou uma grande expedição e chamou outros naturalistas e artistas, que percorreram com ele lugares como São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso e a Amazônia. Por que artistas? Ora, para um viajante-naturalista, um artista era um grande aliado, porque ele poderia desenhar as paisagens, a fauna e a flora dos lugares visitados e assim ajudar a registrar a natureza. Nessas expedições científicas, arte e ciência andavam lado a lado!

Spix e Martius

Nessa mesma época, um importante grupo de viajantes-naturalistas austríacos e alemães chegou ao Rio de Janeiro acompanhando a princesa Maria Leopoldina. Nascida na Áustria, ela havia se casado com D. Pedro I e se tornaria a Imperatriz do Brasil. Dentre os naturalistas que acompanhavam Dona Leopoldina, Spix e Martius são os mais famosos. Durante três anos, eles percorreram as regiões Sudeste, Nordeste e Norte, chegando até o atual estado do Amazonas. Estudaram as plantas, os animais, as línguas faladas pelos povos indígenas, a cultura e a história do povo brasileiro. De volta à Europa, publicaram muitos livros importantes sobre esses temas, como Flora Brasiliensis, que levou 66 anos para ser finalizado!

Desenhos e pinturas de animais e plantas eram feitos por artistas que acompanhavam os viajantes-naturalistas.

Darwin

Outro naturalista que passou muitos anos trabalhando em um livro foi o inglês Charles Darwin, autor do famoso livro A origem das espécies. Foram décadas de pesquisa, leituras e viagens, incluindo uma passagem pelo Brasil em 1832, até que ele publicasse sua obra sobre a evolução das espécies. No desenvolvimento desta que é uma das mais importantes teorias científicas da história, o Brasil teve um papel importante, afinal nossa biodiversidade ajudou naturalistas como Darwin, Alfred Wallace, Henry Bates e Fritz Müller a descobrir como as espécies vão se transformando gradualmente, geração após geração, por meio de mecanismos como a seleção natural.

Maria Graham

Até agora, vimos que a maioria dos viajantes eram homens. Isso porque as mulheres não tinham muito espaço no meio científico. O tempo passou, essa história já mudou um bocado, mas ainda há muito o que conquistar. Mas, registre aí: algumas mulheres também fizeram importantes viagens pelo mundo! Esse foi o caso de Maria Graham, inglesa que era pintora, escritora, viajou por países como Índia, Itália e Chile, e, no Brasil, foi tutora da princesa Maria da Glória, filha do imperador D. Pedro I e da imperatriz Maria Leopoldina. Além de descrever como era a vida no nosso país, Maria Graham participou de momentos importantes da nossa história. Ela ajudou a encerrar uma revolta em Pernambuco em 1824, conviveu com a corte no Rio de Janeiro e acompanhou até a Europa o documento que reconhecia a nossa Independência.

Comissão das Borboletas

Além de todos os estrangeiros que visitaram o Brasil durante o século 19, tivemos também brasileiros que fizeram importantes pesquisas científicas sobre a fauna e a flora do nosso país. Entre os que mais se destacaram nesse período, está o grupo que formava a Comissão Científica de Exploração, que ficou conhecida como Comissão das Borboletas, e que foi uma das primeiras expedições científicas organizadas pelo governo brasileiro. Os naturalistas que faziam parte desse grupo percorreram diversas regiões do Nordeste, principalmente o Ceará, onde fizeram muitos estudos sobre a natureza local.

Por fim…

Como vimos, os viajantes-naturalistas eram pessoas de perfis variados: homens, mulheres, brasileiros e estrangeiros. Embora tenham viajado pelo nosso país em diferentes momentos e percorrido diferentes regiões, de alguma forma, todos contribuíram para o conhecimento do Brasil, da nossa natureza, do nosso povo e da nossa história. Os animais e plantas que coletaram no país formam coleções que são estudadas até hoje em museus e jardins botânicos no mundo todo, e os livros em que contam sobre suas viagens são importantes fontes para historiadores e interessados em geral.

Anderson Pereira Antunes
Museu de Astronomia e Ciências Afins

Matéria publicada em 15.08.2022

COMENTÁRIOS

  • Luane Santos Silva

    Muito boa matéria

    Publicado em 28 de agosto de 2022 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.