Pipoqueiros da pré-história

Mãos cheias de pipocas

Que delícia é ir ao cinema e comer uma pipoquinha! Mas você sabia que a pipoca chegou à dieta dos seres humanos muito antes de filmes serem exibidos? (Foto: ACade_Br / Flickr)

Quem veio primeiro: o cinema ou a pipoca quentinha para acompanhar? Tudo indica que, enquanto o cinema foi inventado somente no século 19, a guloseima já fazia parte do nosso cardápio há milhares de anos. Pesquisadores encontraram, no norte do Peru, grãos de pipoca que datam de cerca de 6700 anos.

A descoberta foi resultado de uma escavação feita nos sítios arqueológicos de Huaca Prieta e Paredones. Para descobrir a “idade” da pipoca, os cientistas usaram um método chamado de datação por carbono 14, que compara a quantidade de carbono presente no milho encontrado nas escavações e na atmosfera.

Isso é possível porque o carbono 14 é absorvido pelas plantas durante a fotossíntese na forma de gás carbônico. Assim, a quantidade de carbono 14 na planta viva é igual à quantidade de carbono 14 presente na atmosfera. Porém, quando a planta morre, ela para de absorver o gás carbônico e, por isso, a quantidade de carbono 14 presente em suas células começa a diminuir. Para saber a idade do grão de milho, basta comparar a quantidade de carbono 14 no milho e na atmosfera – quanto menor a quantidade de carbono, mais antigo o milho é.

Espigas de milho fossilizadas

Espigas de milho fossilizadas encontradas no Peru (Foto: Tom Dillehay)

Nas escavações, os antropólogos encontraram também restos de espigas e de palha de milho consumidos pelas civilizações antigas que habitavam o Peru em um período conhecido como pré-cerâmico – ou seja, anterior ao uso da cerâmica na fabricação de potes para manusear e armazenar os alimentos. “É uma descoberta importante porque acreditava-se que as civilizações precisavam dos recipientes de cerâmica para comer o milho”, explica Dolores Piperno, curadora do Museu Smithsonian de Nova York e líder da equipe que fez o estudo. Agora, já se sabe que o milho chegou à cultura peruana antes da cerâmica.

Mas nem só de pipoca viviam esses povos. Na verdade, o consumo dessa guloseima era muito restrito. “As espigas de milho eram pequenas e menos calóricas e nutritivas do que são hoje”, explica Dolores. Por isso, eles davam prioridade a outros alimentos, como peixes, grãos de feijão e pimentões.

Matéria publicada em 30.01.2012

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Nossa, que legal, eu não sabia disso!

    Publicado em 17 de novembro de 2018 Responder

  • Annypiresbrunini

    E bem gostoso ler sobre uma coisa que a gente tanto ve no caso come e acha que conhece muito enteressante minha professora q indicou

    Publicado em 27 de julho de 2021 Responder

  • alexandreskksks

    Lgl a professora mando isso pra leitura díaria n sabia q a pipoca era velha

    Publicado em 15 de fevereiro de 2023 Responder

  • Ana Beatriz

    Amo muito pipoca e saber que ela foi presente por muitos anos atrás me deixou muito feliz obrigado mesmo por me contar essa história tchau

    Publicado em 15 de fevereiro de 2023 Responder

Envie um comentário

Paula-Padilha

Gosto de ciências desde criança e até fui cientista durante um tempo, mas troquei as pipetas e os tubos de ensaio por lápis e papel.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.